Legião da Infantaria/Brasília - Legião Gen Silva Néto

 
...principal/ Espaço do Legionário  

VOCÊ SABIA?


Que a 1ª Revista da Infantara (Pé-de-Poeira) foi editada pelo Curso de Infantaria da AMAN, em 1946?
 

 
Quando foi criado o Refrão para a Incorporação e Desincorporação da Bandeira Nacional
e quando foi "adotado" pelo Exército?

Saiba detalhes da Composição, Autoria, Ideia, Criação, "Adoção", Execução,
Divulgação e outros detalhes Regulamentares desse
Emocionante e Significativo Cerimonial do Exército Brasileiro ...

          Incorporação da Bandeira à Tropa … “Alvorada de “Lo Schiavo” (Carlos Gomes) + Canção do Expedicionário + Hino à Bandeira …
         Quem compôs esse “Refrão” foi o *1.º Sgt Mestre Mus, que chegou ao posto de Cap Regente Mus, Ivanildo Rafael de Andrade.* O Cap Ivanildo faleceu em 21 Mai 2007.
         O “Refrão”só foi homologado, em 1969. Foi “adotado” pelo Exército, com o “Aviso” Nr 444, de 30 Out 1969, publicado no “DO” de 10 Nov 69, constando, a partir dai, no R2, Regulamento de Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar, de acordo com o BE Nr 49, de 05 Dez 69. Tudo leva a crer que foi executado, oficialmente, pelo Exército, na Solenidade de Entrega de Espadas da AMAN, em 1969.
         Nos tempos “modernos”, em 1999, passou a constar do “Vade-Mecun” do Cerimonial Militar da SGEx, que pode ser consultado no site da “Secretaria” (www.sgex.eb.mil.br) . Isso tudo aconteceu porque no “R2”, aprovado pelo Decreto Nr 8736, de 10 Fev 1942, em seus Nr 208 e 209, nada era estabelecido, em relação ao Cerimonial de Incorporação e Desincorporação da Bandeira Nacional, foi então que o Exército “resolveu” tomar essas providências.

         Participaram dessa pesquisa, o Cap Res LEME, ex-Regente das Bandas do 5.º BIL e do 4.º BIL e o Sgt Mus PAULO, atualmente, integrante da Banda do CAvEx (ex-Cb/3.º Sgt Mus MARCOS, ex-integrante da Banda do “11”, nos anos de 1996 a 2003).* 
         Devido ao seu gosto pela música, entusiasmo pelo Cerimonial Militar e pelas Bandas de Música, é lícito supor que as IDEIAS iniciais de Criação desse Refrão partiram do Gen Ex ANTÔNIO JORGE CORRÊA, que foi Secretário-Geral do Exército nos anos de 1965 a 1967.
         Finalmente, é muito importante salientar que essa pesquisa foi lida e aprovada pelo Cel Inf Veterano do Exército, SORIANO, ex-Chefe do Centro de Documentação do Exército - C Doc Ex, durante 12 (doze) anos, que, Designado para o Serviço Ativo, permaneceu naquela OM, ainda em Brasília, até o seu desligamento definitivo do Serviço Ativo.

Clique aqui e ouça o Refrão, na íntegra, bem como a sua Execução ...


O que significa "TAPS" em um Funeral Militar?
Qual a origem do "Psilito" e do "Caracol" como símbolos da Infantaria?

      A Infantaria adotou, desde muitos anos, alguns símbolos pitorescos para bem caracterizar o seu melhor “petrecho”: o Infante “pé-de-poeira” que só tem descanso ao atingir e consolidar o objetivo ou quando prestar contas com o Criador...
     Sem que se saiba qual ou quais os autores desses símbolos, nem a data certa em que eles foram adotados, dois deles tornaram-se consagrados e foram difundidos pelos Infantes de várias gerações até os dias de hoje. São o “psilito” e o “caracol”, havendo também uma versão do psilito, que carrega, às costas, a carcaça do molusco.
     O "psilito" era o integrante da Infantaria Ligeira das Falanges gregas, que, juntamente com os hoplitas e os peltastas, compunha os escalões de choque daquelas aguerridas Tropas da Antiguidade Clássica.
     O caracol é um molusco terrestre existente no Brasil; as espécies aquáticas são chamadas de caramujos.
O que é "Catanho" e qual a sua Origem?
       "CATANHO" é um tipo de refeição ligeira, utilizada por militares do Exército, em viagens curtas ou missões rápidas, em que o militar não consegue ser alimentado por sua Unidade. Consiste, basicamente, de um sanduíche, algumas frutas, chocoate, sucos ou refrigerantes. Todavia, o "CATANHO", em sua forma mais comum e rústica, consiste em uma mistura de farinha de mandioca torrada com óleo de soja, pedaços de carne, sal e pedaços de goiabada adicionada em sacos plásticos dispensando o uso de talheres e deve ser consumida juntamente com água do cantil para aumentar a senção de saciedade.
       Teve origem na Campanha de Canudos, onde as tropas careciam de apoio de alimentação durante as longas jornadas de marcha, pois o Exército, ainda, não dispunha do sistema operacional de logística e muito menos de um eficiente serviço de aprovisionamento de campanha.
       O Ten Cel Moreira César, Cmt da 3ª expedição a Canudos, também, conhecido como o "corta-cabeça" ou o "treme-terra", incumbiu o 2º oficial mais antigo da expedição, o Ten Cel Pedro Nunes Tamarindo, Cmt do 9º Batalhão de Infantaria, de realizar estudos para suprir as tropas durante o longo deslocamento.
       O Ten Cel Tamarindo, por sua vez, determinou a um militar de nome CATANHO, não se sabe ao certo o seu posto ou graduação, a missão de confeccionar um cardápio com os gêneros existentes naquele momento, principalmente farinha e carne seca, de forma que pudesse ser acondicionado em bornais e em seguida distribuída aos soldados.
       A refeição agradou tanto o paladar dos soldados, que estes resolveram batizá-la de CATANHO.

 ALGUMAS CURIOSIDADES - Você sabia?

   Que a Port Nº 962 - Cmt Ex, de 21 Dez 2006 passou a estabelecer que o Porta-Estandarte de uma Unidade é um Sargento de carreira, selecionado entre os mais "modernos" e os mais distintos da mesma. Clique aqui e saiba mais detalhes sobre o assunto ...
   Que no dia 13 de abril, comemora-se o Dia do Hino Nacional. Nessa data, no ano de 1831, o Imperador D. Pedro I - que acabara de abdicar em favor de seu filho - partia definitivamente para a Europa. Os populares, felizes com a perspectiva do Segundo Reinado, cantavam versos que festejavam a abdicação tendo por fundo a melodia composta por Manoel da Silva. Naquela época, o Hino Nacional ainda não dispunha de sua letra definitiva. Esta só viria a ser concebida por Duque Estrada no início do século XX.

   Que o Dia do Soldado foi instituído pelo Ministro da Guerra, em 1923 e o título de Patrono do Exército foi outorgado pelo Presidente da República, em 1962

   Que o espadim do Cadete - réplica fiel e em miniatura da espada invencível de Caxias,  foi criado em 1932 pelo Coronel José Pessôa Cavalcanti de Albuquerque, então Comandante da Escola Militar de Realengo?

   Que o "Batismo de Fogo" de Caxias (ainda, não tinha recebido esse título o que viria a ser feito em 18 de julho de 1841) foi no dia 3 de maio de 1823, quando o Batalhão do Imperador, no qual desempenhava a função de Ajudante, sob o comando de seu tio, Coronel José Joaquim Alves de Lima, foi destacado para a Bahia, onde pacificaria movimento contra a independência, comandado pelo General Madeira de Melo, onde o Ten Luiz Alves de Lima e Silva revelou excepcionais qualidades de inteligência e bravura

    Que a conhecida e famosa frase, "Sigam-me os que forem brasileiros!", bradada por Caxias às suas tropas, com sua espada desembanhada, foi dita quando galopava  para ultrapassar a pequena ponte sobre o caudaloso Arroio Itororó, cenário de violento combate, no dia 7 de dezembro de 1868? Que o Marechal liderava, pessoalmente, o emprego da reserva, pois o Comandante da vanguarda brasileira, o General Argolo, comandando um ataque cai gravemente ferido e os oponentes lançavam um potente contra-ataque? Que esse violento combate, após várias horas, num fluxo e refluxo de ataques, centenas de mortos, de ambos os lados, atestavam o equilíbrio da situação? Que a sua atitude arrebatadora de grande coragem e arrojo, lhe permitiu ultrapassar a ponte, seguido de seus homens, e apoderar-se da posição? Que foi o lance decisivo do líder que desequilibrou o combate?

   Que em 1866, após o fracasso da ofensiva da Tríplice Aliança, em Curupaity, todo o País estava convencido de que somente Caxias poderia reverter a situação, e ele, mais uma vez, salvou a Nação? Que, até então, nunca se dera o caso de o Ministério oferecer a um adversário político um cargo de confiança e que o Conselheiro Zacarias de  Góes , do Partido Liberal, o fez? Que ao convidar o conservador Marquês de Caxias para que assumisse o comando supremo, declarou-se pronto a deixar o governo, com todo o Ministério, se, por um dever partidário, Caxias o exigisse e a pronta reposta do grande soldado foi: "Aceito o convite, Conselheiro, a minha espada não tem política". E o Ministério ficou, e a guerra foi vencida

    Textos extraídos de um artigo de autoria do Cel Inf Gerson Menandro Garcia de Freitas, publicado na Revista "Sangue Novo", editada na AMAN


LEGIÃO DA INFANTARIA / BRASÍLIA - LEGIÃO GEN SILVA NÉTO

CopyRigth © 2003/2022 - Todos os direitos reservados